PUB
                             
Entrevistas - 08.01.2017

Carismática, empreendedora, multifacetada, Karina começou como manequim, fundou e dirige a STEP, uma das mais prestigiadas agências de modelos de Angola, formou Maria Borges e Sharam Diniz,as primeiras angolanas a brilhar nas passerelles de moda internacionais. foi apresentadora na RTP do programa «Made in África»,e agora voltou ao «pequeno ecrã» com o programa «Vamos conversar», na DSTV. Recentemente criou a STEP Music, uma empresa em Angola e Portugal dedicada ao agenciamento e gestão de carreiras de artistas angolanos a nível internacional. Ao olhar para o seu percurso é inevitável dizer que o seu nome pertence à história da moda angolana.

Partilhou com a F Magazine Luxury alguns dos momentos marcantes da sua carreira, em que Portugal e Angola fazem parte do seu «ADN».

 

«Um dia vou colocar uma angolana na capa da Vogue e a desfilar em Paris - disse quando cheguei a Angola. Disseram que era maluca, mas eu não coloquei uma, mas sim duas.»

 

Começou por ser manequim em Portugal onde permaneceu durante oito anos. Que memórias guarda?

Guardo memórias muito boas e amigos aos quais estou ligada até hoje. Naquela altura, as coisas eram muito mais simples, em muitos dos desfiles éramos nós, manequins, que fazíamos a nossa própria make-up e não havia tantos manequins e agências como agora;eram quase sempre o mesmo grupo de pessoas.

Como fazia desfiles quase todas as semanas, a moda deu-me independência financeira. Também fiz alguns desfiles e catálogos em Madrid, Barcelona e Alemanha, masnão gostei da experiência; eram mercados muito competitivos e preferi ficar em Portugal, perto da minha família e amigos.

 

Visitou Angola pela primeira vezt há quase vinte anos. O que a levou a regressar mais tarde?

Quem me levou a Angola foi o meu amigo Daniel Nascimento. Na altura, apercebi-me que os angolanos já acompanhavam o meu trabalho em Portugal e daí surgiram alguns convites. Acabei por aceitar o desafio de estruturar e dirigir a primeira agência de manequins angolana. Pouco tempo depois, juntei-me ao KayayaJr e criámos a STEP, um projeto mais abrangente, com agenciamento de modelos, produção de eventos, espetáculos e audiovisuais.

 

Chegou numa altura em que a moda ainda era prematura em Angola. Quais foram os maiores desafios que encontrou?

Encontrei falta de profissionais, como maquilhadores, cabeleireiros, estilistas, fotógrafos de moda, e a falta de noção do que era ser manequim profissional. Os pais das modelos, elas própriase alguns clientes achavam que ser modelo era uma brincadeira ou um hobby.

 

Dirigiu a primeira agência de manequins em Angola, fundou a STEP, conseguiu colocar vários jovens angolanos nas maiores passerelles internacionais. Como se sente quando olha para o seu percurso?

Realização profissional e muito orgulho. Quando cheguei a Angola disse: Um dia vou colocar uma angolana na capa da Vogue e a desfilar em Paris. Na altura, disseram-me que era maluca, que as miúdas angolanas não davam para essas coisas. Pois, mas eu coloquei não uma, mas sim duas. A Sharam Dinizfoi a primeira manequim angolana a ser capa da Vogue e a fazer as fashionweeks de Nova Iorque, Londres, Milão e Paris e um desfile da Victoria’sSecret. E seguiu-se a Maria Borges, com o mesmo percurso. Sempre que se falar de moda em Angola, o meu nome estará lá, gravado na história.

 

Organiza o «Moda Luanda» há quase 16 anos consecutivos. Que lugar ocupa este evento no panorama da moda angolana?

O «Moda Luanda», queem Fevereiro de 2017 comemora o seu 20º aniversário, foi criado pelo KayayaJr, enquanto produtor independente. Só comecei a fazer parte da produção depois da criação da STEP, eu e o Kayaya fomos dando cada vez maior dimensão e projeção a este evento, que sempre foi, e continua a ser, o maior palco de divulgação da moda e dos criadores angolanos.

 

É vista como uma mulher de personalidade forte e determinada. Como é a Karina no campo das emoções?

Sim, tenho uma personalidade forte. Sou determinada, extremamente profissional e exigente. Trabalho muito, muito mesmo, e dou sempre o meu melhor. Por isso, sou respeitada e admirada, mas exatamente por causa disso, também sou invejada e atacada. Mas fora do trabalhosou muito meiga e carinhosa, até com os filmes da Disneyeu choro. Sou muito leal, frontal e amiga dos meus amigos, pelos quais só não faço o que não posso.

 

Como surgiu a ideia de criar a sua própria linha de cosméticos e maquilhagem?

Era um sonho antigo. Desde os tempos em que era manequim ficava fascinada com o trabalho das maquilhadoras, que nos transformavam como queriam. Com o passar dos anos, fui estudando essa possibilidade, até que decidi lançar a minha marca no dia em que completei 40 anos. Foi um marco muito especial na minha vida o nascimento da «KB Make-Up».

 

Que cuidados de beleza não prescinde no seu dia a dia?

Uso um creme hidratante para o corpo e, no rosto, uso um sérum com vitamina C e um bom hidratante. Também faço massagens, sempre que possível. Adoro!

 

Recentemente, foi convidada para apresentar o novo programa «Vamos conversar». Como está a ser esta experiência?

Já fiz televisão em Portugal, onde apresentei o «Made in África», na RTP 1 e RTP Internacional, participei em telenovelas e minisséries como atriz, apresentei grandes eventos transmitidos em direto, como o «Miss Mundo», e fiz o programa da ZAP «O que elas pensam». A televisão sempre fez parte do meu percurso.O «Vamos conversar» é o projeto mais especial que fiz em televisão porque é um talk-show, um formato que sempre quis fazer. A ideia original, o conceito, a produção executiva, o cenário e a seleção de convidados são meus. É o meu programa.

 

Já foi modelo, produtora de eventos, fundou uma das mais prestigiadas agências de modelos em Angola, criou a sua própria marca de maquilhagem e agora regressou ao «pequeno écran». Há algo que ainda não tenha feito e que gostaria de vir a fazer?

Continuar oque estou a fazer agora, o agenciamento e gestão de carreiras de artistascom a «STEP Music»,que abriu em Angola e também em Portugal, e com a televisão.No futuro, quero trabalhar um pouco menos, e viajar muito mais…

 

Estamos prestes a chegar à quadra natalícia. Como vive esta época?

Em família, com carinho e muita comida! Adoro passar o Natal em Portugal, com os meus pais e os meus filhos, e confesso que adoro dar e receber presentes.

 

Nasceu em Portugal, mas já vive em Angola há quase duas décadas. Com qual dos países se identifica mais?

Considero-me uma cidadã do mundo. Sou portuguesa, sinto a herança guineense dos meus pais, tenho muito carinho por Angola, amo os Estados Unidos da América, para onde vou várias vezes em trabalho e lazer, gosto muito de viajar. Cada um destes países preenche um pouco do meu ser e contribui para o que eu sou.

 

Um dia gostava de regressar a Portugal ou imagina-se a viver em Angola para sempre?

Não me imagino a viver em Angola para sempre. Portugal é onde pretendo passar mais tempo por causa da «STEP Music» que tem os novos escritórios em Lisboa, mas o futuro é uma «caixinha de surpresas»… Nunca sabemos onde iremos acabar!

Por Sofia Cardoso

Artigos relacionados...

Carlos Gil

Designer de Moda

Bruno Caetano de Oliveira

Um chef angolano em ascensão

Os Mais Vistos

Lifestyle

As melhores praias de sonho

Food & Drinks

Eating with the Stars

F Luxury no Instagram

Contactos

Portugal
Avenida Nossa Senhora do Cabo, 101
2750-374 Cascais
T. (+351) 210 149 077

Angola
Rua N'Dunduma nº147 e 149, Bairro
Miramar, Angola
T. (+244) 942 624 495

Suíça
Flüelistrasse 13, CH-6054 Kerns
T. (+41) 79 524 94 33